Você sabe como proteger a sua clínica médica contra os riscos de infecção e contaminação por agentes biológicos?

A biossegurança é um aspecto fundamental em qualquer ambiente de saúde, especialmente em clínicas médicas. A implementação de medidas adequadas garante a proteção dos profissionais de saúde, pacientes e do próprio ambiente. 

Por isso, neste artigo, discutiremos quais são as principais medidas que devem ser adotadas em uma clínica médica para promover a biossegurança e prevenir a disseminação de doenças infecciosas. 

Desde o correto descarte de resíduos até a higienização correta das mãos, conheça algumas das principais ações e saiba como implementá-las no seu negócio!

Leia também: Cuidados paliativos: como aplicar nos seus pacientes de forma correta

Definição e importância da biossegurança

Biossegurança refere-se a um conjunto de práticas destinadas a garantir a segurança, prevenção de riscos e proteção da saúde de profissionais, pacientes e meio ambiente em ambientes relacionados à saúde.

Em clínicas médicas, esse conceito auxilia na prevenção de infecções, controle de agentes patogênicos e na promoção de práticas seguras.

Isso inclui a utilização adequada de equipamentos de proteção individual (EPIs), a correta esterilização de instrumentos, a gestão apropriada de resíduos biológicos, a desinfecção de superfícies e ambientes, entre outras medidas preventivas.

Além de proteger a saúde dos envolvidos, a implementação efetiva de medidas de biossegurança contribui para a manutenção da confiança dos pacientes nos serviços de saúde, um fator diretamente associado à reputação positiva da empresa.

Banner Conclinica teste app

Confira: Princípios da bioética: como aplicar em sua clínica

Normas e legislação vigentes

No Brasil, a biossegurança é objeto de regulamentação por meio de uma série de leis e órgãos fiscalizadores, cujo propósito é estabelecer diretrizes rigorosas para garantir a segurança de todos os envolvidos em atividades relacionadas. 

Um marco legislativo central nesse contexto é a Lei de Biossegurança (Lei nº 11.105/2005), a qual normatiza a segurança e a fiscalização de atividades envolvendo organismos e entidades biológicas capazes de reproduzir ou transferir material genético, inclusive vírus.

Adicionalmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), por meio da Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) nº 222 de 2018, contribuir para a regulação do gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. 

Essa normativa estabelece requisitos mínimos para a gestão abrangente desses resíduos, desde sua geração até a disposição final, com o intuito de minimizar os riscos à saúde pública e ao meio ambiente.

Esses órgãos e legislações desempenham um papel crucial ao garantir que clínicas, hospitais e demais estabelecimentos de saúde implementem e mantenham medidas robustas de biossegurança, promovendo a segurança e a integridade nos procedimentos relacionados à saúde no país.

6 medidas de biossegurança para clínicas e consultórios médicos

Biossegurana Clínica: concultório médico, uma mesa branca com materiáis em sua bancada com um esqueto na parede de fundo metade da parede é azul e a outra brancaExistem várias medidas de biossegurança que clínicas e consultórios médicos podem adotar para garantir a saúde e a segurança tanto dos pacientes quanto dos profissionais de saúde. Abaixo, destacamos seis delas.

1. Limpeza dos ambientes e superfícies

A limpeza regular e minuciosa de ambientes e superfícies é fundamental para mitigar riscos de contaminação.

Contratar empresas especializadas em limpeza de ambientes de saúde pode garantir a conformidade com normas de biossegurança, permitindo que o pessoal interno foque em suas áreas de especialização.

2. Higienização das mãos

A correta e frequente higienização das mãos é uma prática simples, mas eficaz, na prevenção da propagação de doenças infecciosas.

Médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde devem fazer a limpeza e desinfecção das mãos utilizando álcool 70% antes de iniciar qualquer procedimento ou na troca do atendimento de pacientes. Essa atividade deve ocorrer antes ainda da colocação de uma nova luva.

A recomendação deve se estender também às equipes administrativas, de manutenção, terceirizadas e também aos pacientes e visitantes. Assim, treinamentos regulares e monitoramento asseguram a adesão adequada a esse protocolo crucial.

3. Uso de EPIs e EPCs

A utilização adequada de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs) é essencial para a segurança. Luvas, máscaras e outros itens protegem profissionais e pacientes

Diferente dos EPIs, cujo propósito é criar uma barreira de proteção contra infecções para os profissionais, os EPCs têm a finalidade de resguardar os pacientes de eventos imprevistos. Essa categoria engloba dispositivos como autoclaves, chuveiros de emergência, sistemas de ventilação e alarmes de fumaça.

Confira: Elegibilidade de pacientes: o que é e como automatizar esse processo para a sua clínica

4. Gerenciamento correto de resíduos

O manejo apropriado de resíduos de saúde, em conformidade com regulamentações como a Política Nacional de Resíduos Sólidos e a RDC ANVISA nº 222/2018, é vital para minimizar riscos de contaminação cruzada e garantir um descarte adequado, evitando danos ambientais e legais.

Esse gerenciamento adequado minimiza os riscos de contaminação cruzada, exposição a agentes biológicos e químicos e acidentes com perfurocortantes. 

Além disso, o descarte correto de resíduos garante que eles não acabem em locais inadequados, o que evita danos ao meio ambiente e possíveis sanções legais.

5. Treinamento da equipe

A compreensão e aplicação correta dos princípios de biossegurança por cada membro da equipe são essenciais. O treinamento contínuo, com uma comunicação eficaz sobre a importância dessas práticas, assegura a aderência constante aos mais altos padrões de biossegurança.

6. Plano de emergência

A criação de um plano de emergência é crucial para situações imprevistas. Ele deve abranger mapeamento de riscos, protocolos de ação em emergências e procedimentos de comunicação.

A familiaridade de toda a equipe com esse plano é essencial para uma resposta eficaz.

Testar Soluções para Gestão de Clínicas e Consultórios por 7 dias Grátis

Protocolos de segurança do paciente

Biossegurança hospitalar: médica branca colocando luvas hospitalares azuis, ela está vestida com uma bata branca de mascara e touca.A implementação de protocolos de segurança do paciente garante a qualidade do atendimento na área da saúde, seguindo as diretrizes estabelecidas pela Aliança Mundial para a Segurança do Paciente, criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). 

As seis metas globais propostas pela OMS incluem

  • a identificação correta do paciente;
  • melhoria na comunicação entre profissionais de saúde;
  • higiene das mãos para prevenir infecções;
  • segurança cirúrgica;
  • administração segura de medicamentos;
  • prevenção de quedas e úlceras por pressão.

Leia: Como Melhorar a Organização na Recepção da sua Clínica e Evitar Aglomerações

Comunicar efetivamente essas medidas de biossegurança aos pacientes os colocam como participantes ativos no processo. A transparência na comunicação não apenas melhora a percepção do paciente sobre a qualidade do atendimento, mas também demonstra o comprometimento do estabelecimento com a saúde e o bem-estar de todos.

Para comunicar essas diretrizes, informações claras sobre medidas de biossegurança podem ser afixadas em locais visíveis da clínica ou consultório, além de serem mencionadas durante a marcação de consultas ou no momento do check-in. 

Para garantir compreensão, os profissionais de saúde podem explicar as medidas em linguagem simples e oferecer assistência conforme necessário.

É importante abordar com tato e delicadeza casos de descumprimento por parte dos pacientes, lembrando-os da importância de seguir as medidas de biossegurança para proteção coletiva. 

Uma abordagem compreensiva, aliada a uma comunicação efetiva, contribui para assegurar que todos estejam alinhados com as medidas de biossegurança, promovendo um ambiente seguro e saudável para todos os envolvidos.

Como avaliar as medidas de biossegurança na sua clínica médica?

A avaliação da eficácia das medidas de biossegurança em uma clínica médica requer uma abordagem abrangente, combinando auditorias internas e externas, monitoramento constante e análise de incidentes.

A seguir, detalhamos aspectos importantes desse processo:

  • Auditorias internas e externas: Realizar auditorias internas e externas regularmente é fundamental para verificar a conformidade com as diretrizes de biossegurança. Essas auditorias podem abranger desde a adequação das instalações até o treinamento da equipe e a implementação de protocolos.
  • Monitoramento da adesão às práticas: Outra ação é a avaliação regular da adesão dos profissionais de saúde às práticas de biossegurança é crucial. Isso inclui observar o uso adequado dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), a correta higienização das mãos e a aderência a protocolos específicos.
  • Registro de acidentes ou incidentes: Manter registros detalhados de acidentes ou incidentes relacionados à biossegurança ajuda a identificar áreas de risco.
  • Descarte adequado de resíduos: Verificar se o descarte de resíduos está sendo realizado de acordo com as normas é necessário para evitar riscos de contaminação. Monitorar os procedimentos de descarte desde a segregação até a disposição final é parte integrante da avaliação.
  • Colaboração de especialistas: Envolvimento de equipes especializadas, como profissionais de segurança do trabalho, infectologistas e especialistas em saúde ocupacional, garante uma avaliação abrangente e especializada das medidas de biossegurança.
  • Análise de dados: Utilizar dados, como taxas de infecção e contaminação, é uma prática valiosa para identificar padrões e áreas de melhoria. A análise sistemática desses dados contribui para medir o sucesso das intervenções implementadas.
  • Cultura de segurança: Fomentar uma cultura de segurança onde os funcionários se sintam confortáveis para reportar problemas é essencial. Incentivar a comunicação aberta e a conscientização reforça a responsabilidade compartilhada pela segurança.

A eficácia das medidas de biossegurança é um processo dinâmico que requer monitoramento contínuo e ajustes conforme necessário. 

A colaboração de diversos profissionais e a análise criteriosa de dados contribuem para fortalecer a segurança em ambientes médicos.

Como o Conclínica pode ajudar?

Agora que você já sabe quais são as medidas de biossegurança que devem ser implementadas em uma clínica médica, você pode contar com o Conclínica para facilitar a sua gestão e otimizar os seus processos.

O Conclínica é um sistema de gestão para clínicas e consultórios que oferece diversas funcionalidades, como agendamento online, prescrição digital, cobrança inteligente,  prontuário eletrônico, dentre outras aplicações que contribuem para um melhor atendimento.

 Não perca tempo o nosso site! Você vai se surpreender com os benefícios que essa ferramenta pode trazer para a sua clínica e para os seus pacientes.

Compartilhe em suas redes sociais